Tô Pensando em Contos... "O Homem Bom"




O HOMEM BOM




Parte 1: Vida


     A chuva caía torrencialmente sobre a pequena cidade de São Romero. Cada relâmpago oferecia um vislumbre diferente da região, queimando a imagem fantasmagórica da serra bem fundo nas retinas daqueles que observavam a tempestade do abrigo de suas janelas.

     Imagens dos pinheiros em dança frenética e caótica pela encosta que se desfazia em rios enlameados; da velha e arruinada capela de São Romero, outrora uma bela visão com suas torres e vitrais góticos, neste momento abrigo para todos aqueles – poucos, é verdade – que não tinham um teto (quanto mais uma janela) para chamar de seu; do esqueleto monstruoso do prédio que fora um dia fora uma refinaria de produtos químicos, ainda hoje excretando seus dejetos no Damião, o pequeno córrego da região; das lápides cinzentas do cemitério de São Romero, um pequeno lote cortado pelo próprio Damião; do bar do George, onde uma pequena multidão se reunia para chorar o recém finado Ângelo das Dores.

     Pegos de surpresa pela tempestade, os enlutados se viram obrigados a enterrar o falecido o mais rápido possível e deixar as elogias e despedidas mais sentidas para um lugar mais protegido do temporal, que calhou de ser justamente o bar do George. Muitos dos convivas prefeririam prestar suas homenagens em solo mais sagrado do que um botequim, mas Lucas, o próprio irmão do morto os lembrou de que aquilo não era o tipo de coisa com a qual Ângelo teria se preocupado.

     - Meu irmão não frequentava bares, é verdade, dona Selma – ele respondeu à velha senhora de coque apertado e um rosto com rugas tão profundas quanto casca de árvore velha – mas ele também não julgaria aqueles que o fazem.

     - Mas esse não é um lugar cristão! – berrou um homem com o cabelo lambido encharcado – Não é digno do rebanho de Cristo se enfiar em um lugar onde o diabo nos tenta com o álcool!

     - Escuta aqui, Valdemar – Lucas respondeu irritado –, ninguém te empurrou aqui para dentro. Muito pelo contrário, o George fez um grande favor de nos deixar entrar no meio dessa tempestade!

     - Não foi favor nenhum, Lucas – disse George trazendo toalhas de uma salinha atrás do balcão – o seu irmão também é meu amigo. Era, quero dizer. Que Deus o tenha, coitado.

     - Obrigado, George – agradeceu Lucas, pegando uma toalha para si e ajudando a distribuir as outras – tenho certeza que meu irmão está bem encaminhado. Ele era um verdadeiro cristão, sabe? Não como esse bando de carolas aqui.

     - Eu bem sei – respondeu George – todo mundo na cidade conhecia o Ângelo. Ajudava em tudo o que podia, aquele lá, sem nunca pedir nada ou se meter na vida dos outros. Ele que te criou, não foi?

     - Foi sim – concordou Lucas – depois que os nossos pais morreram, o George cuidou de mim totalmente sozinho. Ele era pouco mais que um adolescente na época, e eu, pouco mais que um bebê, mas ele conseguiu nos sustentar. Largou a escola até que eu pudesse ajudar com a casa – foram bem uns 7 anos até lá – e foi trabalhar na... – gesticulou vagamente em direção à fábrica, pois ninguém na cidade ousava citar o lugar pelo nome – naquele lugar.

     - E ele estava lá quando... – George começou.

     - Não, não. Graças ao bom Deus, não. Ele saiu de lá e foi ser escrivão um mês antes da tragédia.

     - Homem de sorte, seu irmão. Um homem abençoado.

     - Sim, senhor. Um homem abençoado que se esforçava para estender suas bênçãos aos outros. 

     Quando eu cheguei à idade de trabalhar também, meu irmão voltou aos estudos. Os dois trabalhávamos e estudávamos, e em momento nenhum ele deixou de ser um homem devoto. Levava-me à igreja aos domingos, até o dia em que eu acabei discutindo com ele por causa disso. Eu não tinha a mesma fé que ele. Ressentia-me por Deus ter levado meus pais enquanto eu ainda estava em uma idade tão jovem.

     - Mas isso mudou.

     - Mudou – concordou Lucas – mudou, mas levou tempo. Enquanto eu me rebelava na minha adolescência, o Ângelo aguentava tudo com um coração de ouro. Nunca vi um homem mais dedicado ao próximo.

     - Ele estava sempre apoiando alguma obra de caridade – concordou George. Foi ele que deu a ideia de usarem a capela velha como abrigo, não foi?

     - Foi sim. Ele conseguiu convencer a paróquia que era mais importante  dar um teto aos desabrigados do que manter um prédio velho como lembrança de tempos em que a Coroa gastava seus vinténs aqui, ainda mais depois que construíram uma capela nova. Deus não mora em prédios, ele dizia.

     - E como foi que ele acabou professor?

     - Ah, bem, isso aconteceu, sabe? Parece que depois de olhar para o que nós passamos para estudar, ele acabou se envolvendo com esse tipo de coisa. Passou 10 anos arrecadando dinheiro e gente para ajudar na construção de uma escola aqui na cidade e, quando a prefeitura não quis se envolver, fez-se ele mesmo o professor.

     - Um homem abençoado de verdade – disse George. - Um anjo.

     - Sim, um anjo. Por isso que tenho certeza – Lucas afirmou limpando uma lágrima dos olhos azuis aquosos – meu irmão agora está no céu.



Parte 2: Morte 


     O veneno estivera em suas veias por décadas, desde a época da fábrica. Saíra de lá achando que escaparia da malignidade que atacara seus colegas, mas o destino não lhe mostrou clemência. 

     Carregaria a morte em seu sangue do dia em que inspirou os ares da fábrica até o dia em que a terra o engolisse. Não havia como dizer quando isso seria, Dr. Bento lhe dissera, mas o tempo lhe custaria caro.

     Então Ângelo carregou a morte consigo em cada dia de sua vida, sem nunca se esquecer da dádiva que era estar vivo, nem o quão inescapavelmente condenado seu corpo estava. Nos últimos dias, a degradação lhe atingiu com golpes cada vez mais fortes. A dor era onipresente e vinha em formas tão variadas. Queimava pelas veias, irradiava pulsante no cérebro, sufocava os pulmões, apertava o coração e soltava os intestinos até que não houvesse mais nada.

      Mas nada disso importava. Ângelo fora um bom homem em vida. Amara sua família. Cuidara de seu irmão e de todos os outros a quem conseguira alcançar. Servira ao Senhor e sabia que Sua justiça o recompensaria. Agora, no fim da vida, ansiava pela morte e sabia, em sua humildade, que seria receberia a graça do amor de Deus.

     Portanto, foi com a certeza do paraíso que Ângelo expirou naquela tarde de verão.

     Escuridão total. Pancadas. Fortes pancadas vindas de cima atingiam... o quê? O teto? Não, aquilo era baixo demais para ser um teto. Uma tampa. Fortes pancadas atingiam a tampa do recipiente em que ele se encontrava. Recipiente? Caixa. Estava em uma caixa. Por Deus, de onde vinham essas pancadas? Não. Não pancadas. A caixa chacoalhava, mas com a impressão de estar sendo carregada, não pelo ritmo dos golpes. Então, a caixa parou de se mexer.

     Algo sendo jogado sobre a caixa. Não conseguia se mexer. Não ainda. Pouco espaço? O som de pancadas ia ficando mais forte e... mais distante? Ouviu vozes. Não compreendia aqueles sons. Por que o colocaram numa caixa?

     Lentamente, seus braços começaram a se mover. Ele fizera isso? As mãos tateavam a tampa da caixa em busca de rachaduras na madeira. A caixa era grande e de madeira. E tão, tão escura.

     Uma coisa lodosa caiu sobre ele, trazendo consigo minhocas, vermes e pequenos besouros. Seus braços cavavam, levantando-o. Cavavam, cavavam e cavavam, sempre para cima. Cavavam para cima? Fora enterrado então?

     Uma mão se viu livre da lama. Chovia. As pancadas eram o som da chuva sobre a tampa do caixão. Por que o enterraram? Morrera? Atrás da mão livre, veio seu braço. O outro braço logo veio atrás, e os dois trouxeram para fora o resto do corpo. Estava com fome.

     Luz. Pela tempestade, conseguia divisar uma luz não muito distante. E um... cheiro? Cheiro de quê? Quanta fome! Suas pernas colocaram-se em movimento na direção da luz e daquele cheiro. Ah, aquele cheiro delicioso! Ah, aquela fome horrenda! Precisava comer, precisava comer já! A luz se aproximava enquanto sua fome crescia. Luz no escuro significava pessoas. Pessoas poderiam lhe ajudar. Sentia tanta fome!

     Ainda coberto de lama e encharcado pela chuva, chegou à luz. Havia uma porta ali. Madeira velha. Podia ouvir pessoas lá dentro. Não entendia o que diziam. Os braços se estenderam para a porta, empurrando, mas ela não abriu. Meu Deus, quanta fome! Forçou a porta. Seus membros estavam duros e desengonçados. Forçou a porta, ela cedeu.

     Rostos pálidos lavados de lágrimas encaravam-no em diversos graus de desespero. O cheiro! A fome! Meu Deus, o cheiro ali era quase insuportável! Um homem veio em sua direção.

     - Meu irmão! – disse o homem que o abraçava em pranto – Ângelo, meu irmão!

     Conhecia aquele homem? Meu Deus, o cheiro! A fome! O cheiro era ainda mais forte agora que o homem estava assim tão perto, e a fome se tornara demais para aguentar. Mordeu-o.

     O sangue invadiu sua boca, escorrendo pela sua garganta e caindo sobre suas roupas. O homem agora gritava, e não era o único. Mas não poderia parar agora. Mesmo que quisesse, sua boca agia sozinha, e ele não queria parar. O sabor era o de uma iguaria como jamais provara. Preenchia-o com uma sensação indescritível que se intensificava a cada mordida.

     Não havia muito mais do homem, mas olhando a sua volta, viu as pessoas que ainda berravam como um rebanho de porcos no matadouro. Cada um deles, sabia, de uma delícia ímpar. Um banquete esperando por ele. Havia morrido, sabia. E este era o paraíso.




























Comente e concorra:


4 comentários:

  1. Uau!!!!!rs
    Essa pegada do suspense e do terror sútil me agrada muito!
    Se na primeira parte a gente nem imagina o que virá, ao começar a ler a segunda, fica tudo tão nítido e vermelho que é impossível não querer terminar logo!
    Parabéns!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Adorei a reviravolta do conto. Quando comecei a leitura, jamais imaginaria o fim. Simplesmente genial! Nada melhor do que uma vida eterna e um paraíso cheio de sangue. haha

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de reinauguração. Serão quatro vencedores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tem um ar bem mórbido, deu até um medinho rsrsrs

      Excluir
  3. Bruno,realmente ao iniciarmos esse conto não imaginamos a reviravolta que ele irá dar e o quanto tudo se modificará,confesso que não gosto muito de coisas bizarras,mas foi uma sacada bem surpreendente o final inesperado.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© To Pensando em Ler - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo