Tô Pensando em contos... A Entrevista





A ENTREVISTA





- Eric Matheus?

A moça, com a cabeça enfiada dentro da sala, olhava para cada uma das pessoas sentadas até parar o olhar em um rapaz na casa dos 25 anos de idade, sentado atrás de um vaso com uma planta muito grande para um escritório. Ele estava levantando a mão, mas tão discretamente que sem um olhar atento passaria despercebido.

- Eric Matheus? Você é o próximo, pode entrar.

Eric conferiu se o celular estava no modo silencioso, o guardou no bolso, levantou tão rápido que teve uma mini-tontura, mas respirou fundo, arrumou o cabelo, tentou ajustar o terno com caimento péssimo comprado no dia anterior e seguiu em direção da sala.

Um senhor de certa idade o aguardava do outro lado de uma mesa, sentado em uma cadeira que Eric não podia nem imaginar o quão confortável deveria ser. Ele olhava para o celular. A moça, até então parada ao lado de Eric, disse:

- Senhor Abílio, esse é o Eric Matheus.

O homem olhou por cima do celular e fez um sinal com a cabeça, o que a moça interpretou como um sinal de dispensa.

Eric ficou parado, tentando lembrar tudo o que tinha aprendido sobre entrevistas de emprego. “Regra número dois: Nunca se sente antes de alguém oferecer uma cadeira.” Alguns segundos depois, Eric começou a se sentir incomodado de estar parado como uma estátua e se indagou se deveria fazer algum movimento ou soltar um som. E quando abriu a boca, o homem falou:

- Pode se sentar, rapaz. Vamos ver seu currículo.

Eric sentou e lembrou-se da regra número três: “Não cruzar os braços, nem as pernas, não sentar na ponta da cadeira e nem no fundo. Manter posição ereta.”

Enquanto o homem olhava seu currículo, pensou na regra quatro: “Não fale nada, a não ser que te perguntem.”

- Bom. Responda-me, quais os motivos pelos quais você acha que merece essa oportunidade?
Eric tentou se endireitar mais ainda, deu uma leve tossida e pensou na regra número cinco: “Sempre fale com confiança e propriedade.”

- Acredito que meu currículo mostra que minhas aptidões acadêmicas sempre foram excepcionais e me deram oportunidades em outras empresas do segmento e líderes no mercado.

Eric estava confiante, o homem parecia espantado com sua resposta.

- E você acredita que essas experiências são suficientes para ocupar essa posição na empresa?
Eric ficou um pouco assustado com a insistência do homem. Regra número seis: “Não caia em contradição, mantenha seu discurso”.

- Acredito que minhas experiências me prepararam para os desafios que terei que assumir junto com o cargo. Acho que aqui terei mais chances para crescer, uma vez que nas outras empresas em que atuei me senti limitado.

O homem coçou a cabeça.

- Aqui no seu currículo faltou uma informação.

O coração de Eric quase parou, como pode se esquecer da Regra Zero: Confira se o seu currículo está correto.

- Me desculpe, talvez eu tenha mandado um currículo desatualizado, eu tenho outro aqui na minha bolsa.

Eric começou a procurar desesperadamente dentro da bolsa. Eram tantos currículos para áreas diferentes: Marketing, Comercial, Suporte, Atendimento, Administrativo. Ele não conseguia nem lembrar para qual vaga estava sendo entrevistado. Porém o homem o acalmou:

- Não tem problema, é só me responder que eu anoto aqui.

- Claro, claro.

- De qual departamento que você é?

- Departamento? – Eric começou a suar. - Ehhh... Você quer dizer para qual vaga é a entrevista?

- Não, rapaz! Quero saber de qual departamento você faz parte aqui na empresa. Qual seu cargo atual.

Eric engoliu seco e quase não conseguiu responder.

- Cargo aqui na empresa?

- Sim, você está querendo a vaga de Diretor de Marketing, não é? Mas eu preciso saber sobre sua área atual aqui.

Eric teve outra tontura, dessa vez não foi mini.

- É... essa não é a entrevista para a vaga de estágio?

- Estágio? – O homem estava desconcertado. Ele apertou um botão no telefone. – Martha, você sabe alguma coisa sobre entrevista de estágio?

- Estão realizando as entrevistas para as vagas de estágio no andar debaixo, senhor Abílio.

Eric não sabia o que fazer, não existia uma regra para errar o locar de entrevista. Talvez devesse sair em silêncio, como se nada tivesse acontecido. Ou então fingir um desmaio. Mas ele só conseguiu se levantar e falar enquanto saia da sala:

- É melhor eu ir, né? Regra número um: Nunca se atrase para uma entrevista de emprego.


* Baseado em Fatos Reais






















15 comentários:

  1. nossa, pobre rapaz! ainda mais sendo baseado em fatos reais, seria cômico se não fosse trágico, pois hoje em dia emprego esta tão dificil que a gente fica até meio perdido
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ow judiação! Pior que não dá nem pra rir em algo assim. Porque não é ficção, já vi acontecer com gente bem próxima a mim e não é uma experiência agradável para quem sofre com esse nervosismo todo.
    Ainda mais na época em que estamos vivendo.
    Mas mesmo assim, sentindo pena, adorei!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi difícil viu, hahaha. Nunca passei tanta vergonha... Ou já hahaha

      Excluir
  3. Oi, Felipe!!
    Fiquei com pena do pobre do rapaz!! Além de já está nervoso por causa da entrevista ainda erra o local onde vai ser entrevistado!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  4. Olá Felipe,

    Que dureza hein, se estava desnorteado no começo imagina depois que se tocou da mancada, mas acontece, as vezes estamos o desespero faz isso.

    Abraço.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi complicado, sai de Campinas e me perdi em São Paulo, na Zona Sul e ainda errei o prédio

      Excluir
  5. Próximo Conto eu continuo a saga, pq nao acabou por aí a história hahaha

    ResponderExcluir
  6. Felipe!
    Não é um conto, é a realidade que acontece muito.
    Só não entendi como o chamaram para entrevista, já que era para estágio...
    Tomara que ele tenha chegado a tempo no andar inferior e conseguido o emprego.
    “Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha. Em alguns casos, já cheguei na empresa, falei que vim para uma entrevista, aí pegaram meu currículo da base de dados deles é imprimiram na hora e entregaram para quem iria me entrevistar.

      Excluir
  7. Infelizmente isso pode acontecer com todos nós, mas é uma experiencia para vida e podemos aprender com os tombos.
    Ate mais!!

    ResponderExcluir
  8. Oii Felipe!
    Dessa vez seu conto tá bem realista heim..Gostei mto...
    A gte cansa de ver situações como está por aí..
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. HAHAHAHAHAH não sei se rio ou se choro. Bom, se fosse comigo eu choraria, mas já que não é, eu rio :p
    Deve ter sido uma situação pra lá de constrangedora, hein!? Às vezes ficamos tão focados nos detalhes que as coisas mais importantes são esquecidas, rs.

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  10. Felipe!
    Receba meu abraço de solidariedade! Não deve ser fácil! Agora, só rindo mesmo. Eu sofro de nervosismo em momentos de pressão e de fatos importantes, então, não seria difícil de acontecer comigo. O único detalhes, é que por mais nervosa que eu esteja, leio muitas vezes os detalhes do que preciso fazer, para não errar. Mas, pode acontecer com todos.
    Obrigada pelo conto, por compartilhar!
    Abraços.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...