Resenha: Nós, Os Afogados

   

Título: Nós, os Afogados

Autor: Carsten Jensen

Páginas: 696

Editora: Tordesilhas 





COMPRE AQUI: SARAIVA,  BUSCAPÉ,  AMAZON












     Não tenho a menor ideia de como conseguir resenhar este livro. Estou com medo de me perder e falar bobagem, ou até de não conseguir expressar o quanto esta obra é incrível!!


" - Ele está estirado ali. - Aponta. - Mas não vai reconhecê-lo. Uma bala de canhão arrancou a cabeça dele."
Pag. 41


     É narrado por marinheiros. Essa narrativa faz com que o título do livro e a trama sejam um só, pois o livro é narrado em primeira pessoa do plural, ou seja, nós. E para o leitor é em terceira, eles.

     Parece confuso? Mas eu garanto que não é, muito pelo contrário. É genial!!

     A impressão que eu tinha quando estava lendo é a mesma de quando um amigo me conta uma história que aconteceu com ele e com outras pessoas que ele quer que eu conheça.

     E esse título mais uma vez fez jus ao livro. Durante a leitura a sensação é de estar mergulhando numa atrama incrível e de se afogar em palavra s que para sempre ficarão marcadas em mim.


"Cometíamos atos aterradores e só percebíamos o horror do que tínhamos feito quando nos víamos reunidos em torno da evidência da nossa atrocidade. A violência assemelhava-se a uma droga que não conseguíamos largara."
Pag. 76


     Não há em protagonista, há sim marinheiros , pessoas, famílias, amigos, uma cidade inteira que iremos acompanhar por incríveis quase cem anos.

"Nós, Os Afogados" tem início em 1848 e termina em 1945, numa cidade Dinamarquesa chamada Marstal.

     O livro é dividido em quatro partes. A primeira parte é contada a história de vários homens que vão para a guerra contra os alemães, em navios para uma disputa de ducado. Várias histórias são contadas, mas um personagem ganha força, e ele é Laurids Madsen e toda a incrível trama que o envolve.

     Laurids me lembrou aqueles personagens de grandes lendas. Sua vida é tão espetacular que beira a fantasia... Tão absurda quanto incrível!

    
"Para comprovar sua opinião, costumava falar, em uma língua estrangeira que chamava "americano", a qual aprendera durante o ano em que velejava com a fragata Nuncafunda."
Pag. 14


     Nessa guerra Laurids sumiu deixando todos muito preocupados.

     E da mesma maneira que ele desapareceu, reapareceu. Assim, do nada. Mas agora  cheio de histórias pra contar.

     E assim todos voltaram para suas casas, mas algo aconteceu com Laurids; ele definitivamente não é mais o mesmo. Com isso, o mais improvável acontece. Laurids desaparece novamente.

     Depois iremos acompanhar a vida de Albert, filho de Laurids.

     Vamos acompanhar sua vida desde a infância até a fase adulta e toda a violência que o cerca.

     Dou destaque especial para o terrível professor Isager, que passou anos agindo como o torturador das crianças do colégio. Vocês não tem noção das sessões de espancamento que ele aplicava em seus alunos.

     Depois disso Albert e seus amigos resolvem se vingar de Isager, e ele se vinga dos meninos;  e essa bola de neve parece não ter fim.


"Laurids Madsen certa vez contara a Albert sobre o castigo a bordo da Nuncafunda, a fragata naval onde qualquer transgressor inútil era amarrado ao mastro e chicoteado até sangrar."
Pag. 104


     Quando adulto, Albert decide ir atrás do pai que sumiu sem deixar pistas. E o mais chocante pra mim foi quando ele agradeceu por ter sofrido aquelas torturas nas mãos de Isager; assim, hoje ele está preparado para superar todos os sofrimentos.

     É de cortar o coração.


"Vi Laurids em direção ao céu, do convés do navio em chamas, tão altas quanto o mastro principal, e vi quando desceu mais uma vez e caiu de pé."
Pag. 64


     Após esta parte que eu considerei minha preferida, vamos acompanhar Klara e seu filho, Knud.

     E é ao lado de Knud que daremos adeus ao livro depois do mesmo atravessar por mais uma guerra, e mais uma vez contra os alemães.

     Uma conclusão perfeita para uma trama impecável.


"Esta era a diferença: o mar respeitava nossa masculinidade. Os canhões, não."
Pag. 50


     Não é uma leitura fácil. É necessário que se mergulhe de cabeça e se deixe levar pela correnteza de palavras encantadoras que Carsten Jensen coloca nas páginas de maneira extremamente poética e ao mesmo tempo visceral.

     Os personagens não morrem ao fechar o livro, eles te acompanharão por muito tempo. Sinto a presença deles até agora. Assim como sentia até o cheio do oceano enquanto lia.

     Uma história maravilhosa, uma capa magnífica, diagramação impecável. Uma obra de arte. Livro para a vida.

     
"Nós éramos muitos. Ele nunca nos chamava pelo nome. Só gritava. "Você aí!", ou batia na gente. Sua corda nos conhecia melhor que ele."
Pag. 73


"Laurids tinha desaparecido, como ou onde tinha desaparecido ninguém sabia lhe dizer."
Pag. 67


















7 comentários:

  1. Puxa...resenha arrebatadora!!
    Não conhecia o livro, mas fiquei encantada com a capa logo de cara e ao começar a ler a resenha, me senti dentro da história, mesmo sem saber direito do que se tratava.
    Os quotes são perfeitos e parece pouca página, pra tanto o que contar!!!
    Lista de desejados urgente!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Depois dessa resenha, só digo: quero esse livro! Quero para ontem, de preferência.
    A premissa é interessante, o enredo parece ser bem desenvolvido e eu quero conferir essa narrativa na terceira pessoa do plural, algo que nunca vi.
    Excelente resenha!

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de dezembro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha arrebatadora, fiquei ainda mais ansiosa em conferi essa história, preciso desse livro pra ontem.

    ResponderExcluir
  4. nossa Lelê que livro com uma proposta diferente, eu gostei muito apesar de não ser muito o meu gosto usual, mas a trama tem o poder pra surpreender
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Lê, confesso que fiquei um pouco confusa, mas não tanto a ponto de nao ficar curiosa com essa historia. No começo achei que seria algo entediante, mas conforme foram passando as linha, percebi que este livro tem algo diferente do que estou acostumada. Agora, como pode alguém gostar de ser torturado, essa parte acho que vai ser um pouco angustiante.

    Bjsss

    ResponderExcluir
  6. Lê!
    Tão bom poder ler um livro que nos conta histórias e ainda tem um enredo marítimo. Tão difícil encontrar livros do tipo.
    E ainda tem início no século XIX, é um dos meus séculos favoritos para os panos de fundo das histórias.
    “Desejo a voce e a sua familia um Natal de Luz! Abençoado e repleto de alegrias. Boas Festas!” (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista de Dezembro, serão 6 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Nossa você fala com tanto amor sobre o livro que fica difícil não gostar rsrs.
    Histórias de outros séculos são tão perfeitas né?
    Adorei.
    Bjs

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...