Resenha: Tango, Com Violino


Título: Tango, Com Violino

Autor: Eduardo Alves da Costa

Páginas: 352

Editora: Tordesilhas 














     Sabe aquele tipo de livro que você tem na estante e que você não espera nada dele. Aí de repente ele olha pra você e diz: "Ei, olha eu aqui!!". Foi assim que aconteceu comigo e com Tango, com Violino.


"Acho que a velhice é isso, um cansaço das coisas,
um desinteresse, como se a gente já conhecesse tudo."
Pag. 31


     Neste livro vamos conhecer Abeliano que um dia foi professor de História da Arte, mas hoje, aos setenta e seis anos está aposentado.

     Um pouco desinteressado da vida, um tanto cansado de tudo que viveu, ele começa contando suas memórias, algumas delas da infância. 

     Nem sempre foi uma infância feliz, passou por muito sofrimento, principalmente com seu pai, mas isso não o fez fraco, talvez um pouco triste, mas não um homem descrente.

     Porém Abeliano se vê meio perdido neste mundo. Sem ter o que fazer, imaginar ficar em casa vendo o sol nascer e se por não estava nos seus planos para a velhice. Com tanta história pra contar e com tanta vida que ele ainda tem, é difícil ser um aposentado.

     Então ele descobre as vantagens de ser velho, rsrs. Parece que estou sendo irônica ou menosprezando seu Abeliano dizendo 'velho'? Mas não, pois é assim mesmo que ele se denomina, mas garanto que isso trará ao leitor um novo olhar para essa palavra.


"Eu estava no meu apartamento, indeciso entre
beber uma cerveja e dar um tiro nos miolos, um
tiro simbólico, é claro, pois repudio a violência,
quando soou a campainha."
Pag. 19


     A maio vantagem é a de poder andar de ônibus gratuitamente. Abeliano então faz um passeio por São Paulo, aliás, um não, vários passeios pela cidade e pela mente humana. Acabou a rotina na vida deste homem, todos os dias ele sai de ônibus, conversa com pessoas; todo tipo de pessoas. E estes diálogos entre ele e os outros passageiros são variados, desde pura comédia até dramas pecaminosos...


"O pai batia em Abeliano com uma correia de
couro, grossa, que era utilizada para levar o cão 
pra passear. Abeliano sentia-se abaixo do cachorro."
Pag. 29


     Enfim, me diverti muito com esses passeios. Me emocionei em vários momentos e ri muito com as tiradas inteligentíssimas do protagonista. 

     Fora o passeio em si, pois ele passa por ruas que há muito eu não passo e me deu uma certa saudade de passar por lá também.

     O livro todo é extremamente poético, mas o final é tão, tão... não sei como explicar a poesia que existe no final. É tão tocante!!! 

     No início do livro eu não conseguia me adaptar com a narrativa, pois em momentos eu achava que fosse em primeira pessoa, logo depois em terceira, e com o tempo fui entendendo que Abeliano é quem está conversando com o escritor. Super diferente. Depois que entendi fiquei encantada, pois não é sempre que lemos um livro onde o protagonista bate um papo com o escritor e com o leitor. É novo e perfeito!!

     Voltando a narrativa, outra coisa que me causou estranheza foram os diálogos, pois ele vem numa sequencia. Perguntas, respostas, pensamentos, tudo direto. Demorei umas dez páginas para me habituar, mas depois fluiu maravilhosamente. É bom sair daquilo que estamos acostumados e nos entregarmos a algo novo. É no mínimo uma experiência diferente. E teria que ser mesmo, já que Abeliano é um personagem diferenciado!!


     Leitura ótima!!! Recomendo!!!





















10 comentários:

  1. Até que enfim um tema diferente e com certeza, emocionante!!! Adoro coisas assim, histórias que a gente vive no cotidiano e que por que não, pode guardá-las na mente para um momento futuro??
    Sempre digo ao meu pai..um senhorzinho de 70 anos, mas que quando se aposentou deixou pra trás a vida...vive em casa, dormindo, comendo...e achando que o bacana é o descanso. Se falar em bailes de terceira idade a ele, é ofender...sair e passear? Nem pensar!! Preciso indicar este livro a ele..para que a vida retorne aquele corpo rechonchudo.
    Lerei com certeza!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. pelo visto a trama conseguiu mais uma vez encantar pelas palavras e me fazer viajar em uma boa história.
    Esses livros nos quais a gente não deposita tanta fé são os melhores, suprem as nossas expectativas! gostei do enredo Lelê, o pessoal da terceira idade precisa mesmo conhecer suas possibilidades
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Fiquei curiosa com esse livro. Livros que tem dialogo entre o personagem e o escritor? Noossa eu quero ler. haha
    Adoro livros que falam sobre a vida e sobre pessoas mais velhas que não querem cair na rotina! Vou procurar esse livro pra ler em breve rs
    http://mydreamsofasummernight.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa esse livro parece ser excelente, história divertida e super emocionante, a resenha me deixou super ansiosa em conferi essa história, preciso desse livro pra ontem.

    ResponderExcluir
  5. Parece bem marcante, Lelê.
    A história dele teve ter sido bem difícil. Fiquei com vontade de ler.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista. São 3 ganhadores e você escolhe o livro que deseja ganhar.

    ResponderExcluir
  6. Lá vem a Lele... com essas resenhas de eu preciso muito ler.....
    rsrsrs (até que combinou né)
    beijos enormesssss
    http://cantodadomino.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nossa, fiquei com muita vontade de ler. Adorei a história, a capa e o nome. Tenho certeza que vou gostar !!
    Ótima resenha
    Beijos.
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá Alessandra,

    Mais um livro que fico conhecendo aqui, sua resenha me deixou bem curioso e gostei muito do título também, ótima dica....bjs.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Vim direto nessa resenha, porque estou com o livro na estante e também não dei NADA por ele, até ler sua resenha...
    Agora me arrependo de não ter pego para ler antes, rsrs. Vou fazer isso assim que der tempo. *-*
    Espero gostar também, e não demorar a me acostumar com esse tipo de narrativa.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  10. O que torna a leitura um pouco cansativa é que a narrativa (em terceira pessoa) é uma sequência sem marcações de diálogos, a voz do narrador se mistura às vozes dos personagens e em alguns momentos isso incomoda, pois é preciso muita atenção para saber quem está falando.fora isso gostei muito de ter lido ele,ser extremamente poético.. ^^

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© To Pensando em Ler - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo